Um partido em dois tempos: o Partido Comunista Brasileiro (PCB) nas conjunturas pré e pós golpe de 1964

Autores/as

  • Marco Aurélio Santana Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.35305/ac.v17i22.1055

Palabras clave:

PCB, comunistas, sindicalismo, redemocratização, trabalhadores

Resumen

O objetivo do presente artigo é analisar, a partir de pontos específicos, a atuação do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e sua militância em duas conjunturas distintas. Uma, marcando o ascenso da trajetória desse partido, que vai de 1945 até 1964, se encerrando no golpe de Estado de 1964. E outra, marcando a descenso de suas ações, que vai de 1978 até 1992. Tendo em vista sua força concreta, a relação do partido com o movimento dos trabalhadores brasileiros será o eixo condutor central de análise.

Citas

Aarào Reis, D. A. (1986). Questões históricas (exposição). En M. A. Garcia (org.), As esquerdas e a democracia (pp, 45-60). Rio de Janeiro: Paz e Terra/Cedec.

Aarào Reis, D. A. (1997). A maldição do populismo. Boletim Linha Direta, (330), 5-15, 1997.

Boito Jr., A. (1991). O sindicalismo de estado no Brasil. São Paulo: Hucitec/Unicamp.

Carone, E. (1982a). O PCB 1922/1943, vol. 1. São Paulo: Difel.

Carone, E. (1982b). O PCB 1943/1964, vol. 2, São Paulo: Difel.

Carone, E. (1982c dgard, O PCB 1964/1982, vol. 3. São Paulo: Difel.

Chilcote, R. (1982). Partido Comunista Brasileiro - conflito e integração. Rio de Janeiro: Graal.

Costa, H. (1995). Em busca da memória - comissão de fábrica, partido e sindicato no pós-guerra. São Paulo: Scritta.

De Castro Gomes, A. (1988). A invenção do trabalhismo. São Paulo: Vértice/IUPERJ.

Delgado, L. (1986). O comando geral dos trabalhadores no Brasil 1961/1964. Petrópolis: Vozes.

Delgado, L. (1990). Neves, Partido-sindicato-estado: integração e ruptura na crise do populismo. Ponencia presentada en XIV Reunião Anual da ANPOCS, Caxambu, Brasil.

Erickson, K. P. (1979). Sindicalismo no processo político no Brasil. São Paulo: Brasiliense.

French, J. (1995). O ABC dos operários. Conflitos e alianças de classe em São Paulo - 1900-1950. São Paulo: Hucitec/Pref. Mun. de São Caetano do Sul.

Gadotti, M. y Pereira, O. (1989). Pra que PT. São Paulo: Editora Cortez.

Garcia, M. A. (1986). (org.). As esquerdas e a democracia. São Paulo: Cedec.

Giannotti, V. y Neto, S. (1991). CUT - ontem e hoje. Petrópolis: Vozes.

Giovanetti Netto, E. (1986). O PCB na Assembléia Constituinte de 1946. São Paulo: Novos Rumos.

Gorender, J. (1987). Combate nas trevas. São Paulo: Ática.

Gramsci, A. (1978). Maquiavel, a política e o estado moderno. Rio de janeiro: Civilização Brasileira.

Keck, M. (1992). The Workers’ Party and Democratisation in Brazil. London: Yale University Press.

Martins, H. (1979). O Estado e a burocratização do sindicato no Brasil. São Paulo: Hucitec.

Martins, H. (1994). Igreja e movimento operário no ABC. São Paulo/S.C. do Sul: Hucitec/Prefeitura de São Caetano do Sul.

Meneguello, R. (1989). PT: a formação de um partido (1979-1982). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Rodrigues, I. J. (1993). Trabalhadores, sindicalismo e democracia: a trajetória da CUT. (Tese Doutoral inédita). Universidad de San Pablo, San Pablo, Brasil.

Rodrigues, L. M. (1981). O PCB: os dirigentes e a organização. En B. Fausto (Coord.), História Geral da Civilização Brasileira vol. 10 (pp. 415-446). São Paulo: Difel.

Sader, E. (1988). Quando novos personagens entraram em cena. Rio de janeiro. Paz e Terra.

Santana, M. A. (2001). Homens Partidos: comunistas e sindicatos no Brasil. São Paulo/ Rio de Janeiro: Boitempo/Unirio.

Santana, M. A. (2012). Bravos companheiros: comunistas e metalúrgicos no Rio de Janeiro (1945-1964). Rio de Janeiro: 7Letras.

Spindel, A. (1980). O partido comunista na gênese do Populismo. São Paulo: Símbolo.

Telles, J. (1962). O movimento sindical no Brasil. Rio de Janeiro: Vitória.

Vianna, L. W. (1983). A classe operária e a abertura. São Paulo: Cerifa.

Vinhas, M. (1982). O partidão - a luta por um partido de massas (1922/1974). São Paulo: Hucitec.

Weffort, F. (1973). Origens do sindicalismo populista no Brasil (A conjuntura do Após-guerra). Estudos Cebrap, 1(4), 63-77.

Weffort, F. (1978). Os sindicatos na política (Brasil 1955-1964). Ensaios de Opinião, 2(5), 10-36.

Descargas

Publicado

2020-06-06

Número

Sección

Dossier