El pacto federativo del Brasil de la primera república (1889-1930)

Autores/as

  • Claudia Viscardi Universidad de São Paulo

Palabras clave:

Federalismo, Oligarquía, elecciones, competición política

Resumen

El presente trabajo examina el federalismo oligárquico brasileño en el periodo correspondiente a la Primera República (1889-1930), en el cual son tratados el proceso de construcción y el montaje del nuevo régimen, los principales pilares de su funcionamiento; así como un abordaje sobre los procesos decisivos, a través del análisis de los procesos electorales. Con base en una bibliografía más reciente y en el uso de fuentes empíricas hasta entonces no usadas, el artículo tiene por objetivo proponer una lectura diferenciada sobre el régimen en relación con abordajes más consolidados.

Citas

ALMEIDA, Francisco de. Novo Dicionário Universal Português. Lisboa: Tavares Cardoso e Irmão, 1891.

ALONSO, Ângela. Idéias em movimento: a geração de 1870 na crise do Brasil-Império. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

BACKES, Ana Luiza. Fundamentos da ordem republicana: repensando o pacto Campos Sales. Brasília: Plenarium, 2006.

Barriguelli, José Cláudio (org.) O pensamento político da classe dominante paulista: 1873/1928, UFSCAR, Arquivo de História Contemporânea, 1986.

BATALHA, Cláudio. O movimento operário na primeira república. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

BELLO, José M. História da república. 6ed, São Paulo: Cia Editora Nacional, 1972.

CARONE, E. A república velha: evolução política, São Paulo: Difel, 1972.

CARVALHO, J.M. República, democracia e federalismo: Brasil (1870-1891). In: CARVALHO, J.M. et alii. Linguagens e fronteiras do poder. Rio de Janeiro: FGV, 2011.

CASALECCHI, José Ênio. O Partido republicano paulista: 1889-1926. São Paulo: Brasiliense, 1987.

CASTRO, Celso. Os militares e a república: um estudo sobre cultura e ação política, Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

COSER, Ivo. Federal/federalismo. In: FERES Jr.(org.). Léxico da história dos conceitos políticos do Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

CAVALCANTI, Themistocles B. O voto distrital no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 1975.

DEMINICIS, Rafael B. e REIS FILHO, Daniel A. (orgs.) História do anarquismo no Brasil. Niterói e Rio de Janeiro: Ed. UFF e Ed. Mauad, 2006, volume 1.

FERREIRA, Marieta de M. (org.) A república na velha província: oligarquias e crise no estado do Rio de Janeiro (1889-1930). Rio de Janeiro: Rio Fundo, 1989.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 3ed, Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

Figueiredo, Vitor F. Voto e competição política na Primeira República ( o caso de Minas Gerais), 1889-1930). Curitiba, CRV, 2017.

FONSECA, Vítor M. M. da. No gozo dos direitos civis: associativismo no Rio de Janeiro, 1903-1916. Rio de Janeiro: Faperj-Muiraquitã, 2008.

FRANCO, Afonso A. de M. Um estadista na república. Rio de Janeiro: José Olympio, 1955.

FREIRE, Américo G. Entre a Insurreição e a Institucionalização: Lauro Sodré e a República Carioca. Revista do Mestrado de História. Rio de Janeiro, Vassouras, Universidade Severino Sombra, vol. 3, 2000.

GOMES, Ângela M. de C. A invenção do trabalhismo. Rio de Janeiro: Iuperj/Vértice, 1988.

IANNI, Octavio. O ciclo da revolução burguesa. 2ed, Petrópolis: Vozes, 1985.

KAREPOVS, Dainis. A classe operária vai ao parlamento: o Bloco operário e camponês do Brasil (1924-1930). São Paulo: Alameda, 2006.

LEVINE, Robert. A velha usina: Pernambuco na federação brasileira (1889-1937), Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

LOVE, Joseph. O regionalismo gaúcho. São Paulo: Perspectiva, 1975.

LOVE, Joseph. A Locomotiva: São Paulo na federação brasileira: 1889-1937, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

LEWIN, Leda. Política e parentela na Paraíba: um estudo de caso da oligarquia de base familiar, Rio de Janeiro: Record, 1993.

LYNCH, C. Quando o regresso é progresso: a formação do pensamento conservador saquarema e de seu modelo político (1834-1851). In: FERREIRA, Gabriela Nunes &BOTELHO, André (orgs.). Revisão do pensamento conservador: ideias e política no Brasil. São Paulo, Hucitec, Fapesp, 2010.

MAC CORD, Marcelo e BATALHA, Cláudio H. (org.) Organizar e proteger: Trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil (séculos XIX e XX). Campinas: Unicamp, 2014.

MAGALHÃES, Maria Carmem C. O mecanismo das “comissões verificadoras” de poderes: estabilidade e dominação política, 1894-1930. Dissertação de mestrado em História, UNB, Brasília:1986.

MELLO, Maria T. C. de. A República Consentida: Cultura Democrática e Científica no Final do Império, Rio de Janeiro, FGV, EDUR, 2007.

MORAES E SILVA, Antonio de. Dicionário da língua portuguesa. Lisboa: Tipografia Lacerdina, 1813 e 1831, tomo II.

MORAES E SILVA, Antonio de. Dicionário da língua portuguesa. Nova edição revista e melhorada. Rio de Janeiro e Lisboa: Empresa Literária Fluminense, 1831 e 1889, p. 464.

NICOLAU, Jairo. A participação eleitoral: evidências sobre o caso brasileiro. Paper apresentado no VIII Congresso Luso-Brasileiro de Ciências Sociais. Coimbra, 2004.

NICOLAU, Jairo. Eleições no Brasil: do Império aos dias atuais. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PESSOA, Reynaldo C. (org.) A ideia republicana no Brasil, através dos documentos. São Paulo, Alfa-Ômega, 1973.

PINTO, Surama C. Sá. Só para iniciados: o jogo político na antiga capital federal. Rio de Janeiro: Mauad, 2011.

PITKIN, Hanna F. “Representação: palavras, instituições e ideias”. Revista Lua Nova. São Paulo, 67, 2006.

PORTO, Walter C. O voto no Brasil. 2ed, Rio de Janeiro: Topbooks, 2002.

PRADO JR. Formação do Brasil contemporâneo. 22ed, São Paulo: Brasiliense, 1992.

RICCI, Paolo e ZULINI, Jaqueline. “Beheading”, rule manipulation and fraud: the approval of election results in

Brazil, 1894-1930. Journal of Latin American Studies, Cambridge University Press, 2012.

SABATO, Hilda. “On political citizenship in Nineteenth-Century Latin America”. The American HistoricalReview, vol.106, no. 4, October, 2001.

SAES, Décio. A formação do estado burguês no Brasil (1888-1891). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

SANTOS, Wanderley G. dos. O sistema oligárquico representativo da Primeira República. Revista Dados, Rio de Janeiro, jan-mar, 2013.

SETEMY, Adrianna. Pais de Carvalho (verbete). Dicionário da Elite Política republicana. Rio de Janeiro, CPDOC/FGV, 2012.

SODRÉ, Nelson W. Formação histórica do Brasil. 11ed, São Paulo: Difel, 1982.

SOUZA, Maria do Carmo C. de. O processo político-partidário na Primeira Repú¬blica, In:--- MOTA, Carlos G. (org.). Brasil em perspectiva. 15ed., São Paulo: Difel, 1985.

TOPIK, Steven. A presença do estado na economia política do Brasil de 1889 a 1930. Rio de Janeiro: Record, 1989.

VIEIRA, Frei Domingos. Grande DiccionarioPortuguez ou Tesouro da Língua Portuguesa. Casa dos editores Ernesto Chardrom e Bartholomeu H. de Moraes, Rio de Janeiro/Pará, 1872-1874, tomo IV,

VISCARDI, Cláudia M. R. O teatro das oligarquias: uma revisão da política do café com leite. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

VISCARDI, Cláudia M.R. “O Federalismo como experiência: Campos Sales e as tentativas de estabilização da República”. Revista Dados, Rio de Janeiro, vol. 59, n.4, 2016.

WIRTH, John. O fiel da balança: Minas Gerais na federação brasileira (1889-1937), Rio de Janeiro: Paz e terra, 1982.

Descargas

Publicado

2018-04-10